CONTACTO INVESTIR COMPORTA ALGARVE PORTUGAL

Chineses desembarcam em Portugal

Chineses em Portugal
By Inês ALMEIDA . 5 years
Categories :
Turismo Portugal

Esta não é a primeira vez que acontecem trocas comerciais entre Portugal e a China. Afinal, não é verdade que a história se repete? Para lidar com a crise, Portugal definiu um extenso programa para trazer novos capitais para a sua economia, tanto derivados do investimento estrangeiro como do retorno do sector imobiliário. O resultado destes incentivos da economia portuguesa foi que os chineses aderiram em força a esta abertura da Europa.

 

Regresso no tempo

O primeiro acordo entre estes dois países remonta a 1554, algumas décadas após a chegada do explorador português Jorge Álvares à ilha de Ling-Ting. Portugal obtém o direito de se estabelecer em Macau em 1557. Em 1887, o Tratado de Pequim veio a confirmar que essa aliança.

 

Mais tarde, o regime comunista de Pequim veio arrefecer o comércio por muitos anos, justamente até 1979, quando a República Popular da China foi reconhecida por Portugal.

 

Desde então, a partir de meados dos anos 80, os chefes de Estado dos governos de ambos os países têm-se repetidamente visitado a cada ano, uma estratégia diplomática que valeu a pena em termos comerciais.

 

Assim, em crise económica, Portugal tem procurado novos parceiros na China, das empresas que exportavam em 754 para 2009 e das de 1111 para 2013.

 

Por outro lado, os investidores chineses olham para Portugal com interesse.

 

A crise portuguesa

 

Nos últimos 6 anos em plena crise financeira, as empresas portuguesas abriram-se ao capital estrangeiro. Contribuições na ordem dos 30 milhões de euros atravessaram as fronteiras.

 

Beneficiando da ajuda do BCE e do FMI, o governo propôs um amplo programa de privatização de vários sectores, como a energia.

 

O que também favoreceu a chegada de investidores estrangeiros foi a criação do Visto Dourado e o amplo programa de recuperação da economia.

 

Sem mencionar que, com um padrão mais baixo de valores de vida e imobiliário bem abaixo de outros países, Portugal teve um olhar muito benevolente dos novos provedores de capital, de que alguns países de acolhimento anteriores, como o Magrebe, não usufruíram.

 

A chegada de investidores chineses

 

As primeiras intervenções dos chineses foram realizadas em sectores privatizados.

 

Este foi o caso da China Three Gorges que obtiveram a quota do Estado na EDP (Energias de Portugal) ou da State Grid que ficou com 25% do capital da REN (Rede Eléctrica Nacional).

 

E a lista poderia continuar com companhias de seguros (Fosun ocupando 84,7% da Fidelidade, 80% da Ceres, 80% da Multicare ...), bancos (Haitong comprou BESI; Fosun ou Anbang  que se encontra em negociações para obter o Novo Banco ... ).

 

45% do mercado energético português é propriedade dos chineses e 35% do mercado de seguros e 15% do sector bancário também.

 

Mas Portugal é também uma abertura interessante para os seus parceiros por incluir 30% da Petrogal Brasil (da  Galp Energia em Portugal) resgatados pela Sinopec, ou 49% das acções da EDP em parques eólicos no Brasil. Para a China, a abertura de Portugal com o Brasil é um dos elos fundamentais.

 

O sector imobiliário

 

O outro sector económico português particularmente visado ​​é o imobiliário. Com a medida dos vistos dourados, Portugal tornou-se uma porta de entrada para a Europa para os investidores fora da União Europeia. Eles podem beneficiar deste visto europeu através de um investimento numa empresa de um milhão de euros, se esta empregar pelo menos dez pessoas, ou ainda, ainda se fizerem um investimento imobiliário no país de 500 mil euros. No final de 2014, o investimento médio dos chineses em Portugal foi de cerca de 864 mil euros, do qual 80% corresponde a titulares de autorizações de residência nesta área.

 

Noutra análise, a Bloomberg mostra que 20% dos compradores estrangeiros de imóveis portugueses foram chineses nos primeiros nove meses de 2014 proporcionando, além disso, o valor acumulado mais alto em comparação com outros países.

 

"Uma loja no bairro do Chiado e na Avenida da Liberdade é 25 vezes mais barata do que o seu equivalente localizado na prestigiada Bond Street, em Londres." Por isso não são apenas os chineses muito ricos a investir no país. Eles são rivalizados pelos investidores russos, franceses e britânicos.