CONTACTO INVESTIR COMPORTA ALGARVE PORTUGAL

MNAA: Rembrandt e os Elos Perdidos

Expo Rembrandt MNAA
Par João GALVÃO Il y a 3 ans
Catégories :
Últimas Notícias

O Museu Nacional de Arte Antiga, MNAA, celebra a visita dos monarcas dos Países Baixos a Portugal com Rembrandt

 

A partir de 12 de outubro e a até 7 de janeiro o MNAA apresenta uma pequena mas importante exposição. Ocupa a Sala do Tecto Pintado, no piso 1, e é apresentada como um díptico: de um lado, assinalando a colaboração com o Rijksmuseum, é exposta uma paisagem de um dos mais célebres artistas holandeses, Rembrandt van Rijn (1606-1669), tema raro na sua vastíssima produção. Do outro lado do díptico, surge um conjunto de obras provenientes de ambas as prestigiosas Coleções Reais, onde se entrecruza a relação dos Países Baixos com Portugal.

 

Aliam-se, aqui, os notáveis retratos de Leonor de Áustria (Rainha de Portugal pelo seu casamento com D. Manuel I, antes de ser Rainha de França) e de seu irmão, o Imperador Carlos V, por Joos van Cleve, aos das das princesas Sabina Délfica e Leonor Maurícia de Portugal, de Gerard van Honthorst, fruto de uma particular união dinástica entre os dois reinos, da qual se expõe também importante documentação.

 

Assim se recuperam elos de uma cadeia que a memória histórica dispersou, pelos quadros de onde de lá do fundo da história estas cabeças coroadas nos contemplam e falam de si.

 

A exposição serve também para marcar a visita oficial do Rei Willem-Alexander e da Rainha Máxima, Reis dos Países Baixos, a Portugal, a convite do Presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa, entre os dias 10 e 12 de outubro. A visita de Estado terá a decorrer paralelamente uma missão económica e empresarial por parte dos Países Baixos.

Aproveite a visita à exposição “Rembrandt e os Elos Perdidos” para conhecer a Fonte Bicéfala, peça que será objecto da próxima conferência "Obra em Foco" no dia 25 de outubro de 2017, às 18h. Uma peça misteriosa e cheia de encantamento, histórica mas quase de fábula. Formalmente, é o coroamento de uma fonte do período manuelino, de cerca 1510-1525. Associa duas cabeças coroadas e dois escudos com as divisas de D. Manuel e D. Leonor. As figuras, apesar de antropomórficas, ganharam uma estranha torção que confere à peça um aroma marcadamente contemporâneo e audaz.

 

 

Exposição “Rembrandt. Elos Perdidos”

Museu Nacional de Arte Antiga

12 de outubro a 7 de janeiro

Rua das Janelas Verdes

1249-017 Lisboa

Tel: 213 912 800

 

Crédito foto abertura: Rembrandt van Rijn, Paisagem com ponte de pedra, c. 1638, Rijksmuseum

Crédito foto escultura: DGPC