CONTACTO INVESTIR COMPORTA ALGARVE PORTUGAL

Turistas são o melhor cartão-de-visita do Algarve

Turistas Algarve
Par Joana CIDADES Il y a 4 ans
Catégories :
Algarve

A maioria dos que visitam o Algarve prometem voltar

 

Os turistas gostam tanto do Algarve que até podem ser considerados os embaixadores da região. Na verdade, a maioria dos que passam por terras algarvias pretende voltar “logo que possível”, de acordo com o estudo “O perfil do turista que visita o Algarve”, encomendado pelo Turismo do Algarve e realizado pela Universidade do Algarve.

 

“O Algarve diz-me muito”, “O Algarve é especial para mim” e “Identifico-me fortemente com o Algarve” são as três expressões que melhor retratam a afinidade dos turistas com a região. 95% dos 2400 inquiridos (turistas nacionais, estrangeiros, residenciais e tradicionais) recomenda o destino nos seus círculos mais próximos. “Férias só no Algarve” é uma máxima que se aplica aos turistas residenciais, com a esmagadora maioria (95%) a visitar o destino entre uma (47%) a duas vezes por ano (10%). São muitos (83%) os turistas que pretendem continuar a visitar.

 

 

Os turistas tradicionais alojam–se sobretudo em hotéis (50%) ou resorts (37%), por 9 dias em média, chegando na generalidade de avião (58%) ou viatura própria (36%)  com uma reserva que concretizaram online (71%).  Também estes são habituais na região (85%) e 29% visitam-na uma vez por ano. Do seu total, 69% pretendem regressar, sendo que 59% partilha as suas férias nas plataformas digitais.

 

 

Este estudo tem como objetivo compreender a essência do turismo na região, a zona turística por excelência do país, onde sobressai a capacidade de retenção dos turistas na região, que se deve manter elevada no futuro, totalizando um fluxo de 17 milhões de dormidas no último ano e de 119 mil camas no alojamento tradicional. Entre os que visitam o Algarve, 55% dos turistas vive em Portugal, 16% vem do Reino Unido e 6% de Espanha. Em 2015, o Algarve representou 34% das dormidas registas em Portugal em estabelecimentos classificados.

 

 

Fonte: Jornal Económico