CONTACTO INVESTIR COMPORTA ALGARVE PORTUGAL

Festival ao Largo 2018, uma praça viva

Festival ao Largo 2018
Par João GALVÃO Il y a 9 Mois

Já vai quase a meio, mas ao que resta vale muito a pena comparecer: no Largo de São Carlos, na praça nobre da ópera, as noites são eruditas, imperdíveis e gratuitas.

 

É das mais carismáticas praças da cidade de Lisboa, com a fachada do Teatro Nacional de Carlos como cenário. É nela que ao ar livre, e pela noite fresca adentro, poderemos ver gratuitamente espetáculos de dança e música desempenhados por nomes maiores do panorama artístico nacional e internacional.

 

Este artigo vem tarde, reconheço, mas mais vale tarde do que nunca, e partilho consigo o que não vou perder no Festival ao Largo, que há ainda muito para ver e ouvir.

E já no dia 17 a noite anima com “Ópera e Valsas”, pela Orquestra do Conservatório Regional de Artes do Montijo. Será uma viagem musical pela Europa dos séculos XVIII, XIX e primeira metade do século XX, com valsas dos irmãos vienenses Johann e Joseph Strauss, e obra de outro extraordinário vienense, Mozart, de que ouviremos uma ária do seu Don Giovanni. De Rossini e de Donizetti haverá arias do Barbeiro de Sevilhae d’ O Elixir do Amor, e tantas outras aos mesmos espírito e época.

Orquestra do Conservatório Regional de Artes do Montijo, que trará "Óperas e Valsas" ao Largo nobre da Ópera de São Carlos. Foto de David Rodrigues.

 

Na noite de dia 18 os Solistas de Lisboa trazem Duas Peças para Octeto de Cordas, de Shostakovich, e o Octeto, de Mendelssohn. No dia 19 serão os L.U.M.E. (Lisbon Underground Music Ensemble) que ocupam o palco. São 15 instrumentistas experientes nas lides do jazz e na música erudita, que se inspiram no conceito da big band, atualizando esse discurso de forma inteligente e irónica.

Os "Solistas de Lisboa" para ouvir na noite de 18 de julho.

 

As noites de 20 e 21 serão Russas. A tocar estará a Orquestra Sinfónica Portuguesa, que assim comemora uns respeitáveis 25 anos de atividade, e que com este concerto, todo sobre obra russa, de Glinka, Tchaikovski, Mussorgski ou Glazunov, nos dá afinal parabéns a nós.

A Orquestra Sinfónica Portuguesa, que comemora 25 anos de atividade, mas afinal oferece presentes em forma de concerto.

 

A dança fecha o Festival ao Largo, nas noites de 26, 27 e 28. Em palco sempre a Companhia Nacional de Bailado. A obra Toccata e Fugafoi criada por Ambra Senatore para 18 bailarinos, onde a coreógrafa retrata meticulosamente a humanidade e as suas respetivas falhas.

O bailado Hermann Schmerman foi estreado em 1992 no Ballet de Nova York, depois de ter sido coreografado para 5 bailarinos. Quatro meses mais tarde, para o Ballet de Frankfurt, Forsythe criou um dueto adicional a este bailado. Desde então é apresentado em diversas companhias no mundo, tanto na sua versão completa como apenas o dueto. É aparentemente uma competição homem-mulher, mas para o coreógrafo é apenas uma simples peça sobre dança.

A Companhia Nacional de Bailado oferece três noites de encanto e mestria. Foto de Nuno Simão.

 

O último bailado é o Raymonda – III Ato, que estreou em janeiro de 1898 no grande Teatro Mariinsky de São Petersburgo, e que se conservou no seu repertório até aos nossos dias, tendo sido revisitado por diversos coreógrafos. 

Neste ato celebra-se o casamento de Raymonda com o cavaleiro Jean de Brienne após o regresso deste das Cruzadas. E sem aviso, um convidado surpresa, Abderrakhman, um emir sarraceno, tenta raptar Raymonda.

 

Sempre às 21h30, no Largo de São Carlos. Prometo que para o ano chego a tempo e trarei o programa completo. Agora vá, toca a tirar o fraque da naftalina e a dar uma boa passadela a ferro na cauda de seda.

 

Mais info aqui.

 

Imagens do site do evento.