CONTACTO INVESTIR COMPORTA ALGARVE PORTUGAL

As eleições legislativas portuguesas

Eleições Legislativas
By Inês ALMEIDA . 4 years
Categories :
Turismo Portugal

O governo venceu novamente as eleições: após o período de austeridade, a recuperação anuncia-se

 

Portugal vê o seu governo a ser novamente validado nas eleições.

 

 

O resultado das eleições conferiu novamente o poder ao governo de direita, confirmando o valor da sua política de austeridade, que permitiu ao pais sair da crise financeira em que estava mergulhado.

 

 

No entanto, o governo perdeu a sua maioria absoluta e vai ter de formar alianças para implementar as suas reformas, o que poderá complicar a sua agenda. “Vamos manter o nosso compromisso com a recuperação e a nossa abertura ao diálogo”, afirmou o primeiro-ministro Pedro Passos Coelho.

 

 

Agora, após a crise, deverão predominar as medidas de reforço da economia.

 

 

Esta saída da recessão financeira foi o tema de um artigo muito interessante de Marie Charrel na publicação “Le Monde Economie”, estabelecendo um estado real da situação em Portugal, um país que optou por atrair investidores para impulsionar a economia. Este artigo recorda que os esforços empreendidos estão agora a dar os seus frutos: “Graças aos esforços colectivos, a economia portuguesa voltou a crescer em 2014 (0,9%), após três anos de recessão. Este ano deve crescer ainda 1,6%, garante o governo.” E continua: “O défice público, que atingiu um pico de 11,2% do produto bruto interno (PIB) em 2010 aumentou para 4,5% em 2014 e deve cair abaixo da meta dos 3% este ano.

 

 

As famílias estão a começar a sentir favoravelmente os frutos dos seus esforços, como se vê na passagem “Em Julho a taxa de desemprego caiu para 12,1%, o seu nível mais baixo desde 2010. O crescimento é suportado tanto pelo consumo das famílias, que recuperou 3,4% no segundo trimestre e mais 7% de investimento, que finalmente se está a recuperar.”

 

 

O país inteiro respira melhor porque também "se tornou recentemente um subcontratante da indústria europeia no couro, têxtil ou mesmo para outros serviços" de acordo com o Sr. Teixeira, que destaca o exemplo BNP Paribas e sua decisão "para implementar alguns dos seus back-offices, em Lisboa".

 

 

Outro elemento de estímulo e investimentos, “as baixas taxas de juros, que passaram de 15% (para títulos de dez anos) no início de 2012 para 2,5% hoje, reflectindo medidas expansionistas BCE."

 

 

Se a austeridade e o combate à recessão ajudaram a convencer os diversos organismos europeus ou mundiais, as medidas adicionais têm atraído os investidores estrangeiros e agora o novo governo vai apoiar o seu trabalho sobre as novas medidas a favor de uma recuperação ainda mais forte.